Trabalhe em casa criando sites

Quer criar e vender sites, blogs e lojas virtuais mas não sabe como? Veja o que você precisa aprender e para ser freelancer ou ter uma carreira na área!

ilustração de site sendo montado como se fosse uma casa

Então você decidiu que quer criar – ou vender – sites.

Por ser uma área sem regulamentação ou graduação, no começo tudo é muito confuso e até mesmo fantasioso. Sem conhecimento e planejamento as coisas podem dar errado muito rápido.

Além disso, há diversas formas de se trabalhar na área. Você pode cuidar apenas do design, do código ou até mesmo das vendas, elaboração de briefings, propostas e por aí vai.

Então, vamos por partes. Tentei deixar tudo bem resumido, com os principais detalhes, senão você ficaria a semana inteira lendo esse texto. Não que eu veja problema nisso, mas sei que você provavelmente não teria esse tempo disponível.

Vamos lá?!

O que você precisa saber para criar sites

Depende de o que você tem em mente. Quer uma renda extra, dinheiro fácil ou uma carreira?

Sejamos sinceros, há três tipos de pessoa nessa área:

  1. Sobrinhos: Não têm ambição ou conhecimento básico na área. Acha que o que faz já tá bom, e muitas vezes faz o cliente jogar dinheiro fora;
  2. Estudantes / Amadores: Estão aprendendo ou até já têm aprendizado na área. Ainda falta um tanto para se tornarem profissionais, mas podem conseguir fazer trabalhos com certa qualidade quando não tentam dar um passo maior do que a perna;
  3. Profissionais: Já trabalham na área, têm uma carreira ou prestam serviços como freelancers.

Em qual dessas categorias você se encaixa – ou quer se encaixar? Se for na primeira, melhor fechar essa página porque infelizmente não vou poder te ajudar.

Mesmo que você não queira trabalhar com criação de sites como atividade principal, você deve fazer um bom trabalho – até porque isso irá definir seu retorno financeiro.

Então, se sua ideia é buscar algo que dê dinheiro fácil, esse post não é pra você! Há outras opções para renda extra que não necessitam de muito conhecimento. Então, para evitar frustrar clientes e você mesmo, procure fazer o que você acha que terá mais familiaridade.

Bom, vamos em frente: a grosso modo, a criação de um site é dividida em duas partes – Web Design e Programação.

O que é Web Design

Web Design é a área de atuação do web designer, que, como o nome já entrega, cria designs para web.

Nesse texto aqui você pode ter uma ideia melhor de o que um web designer faz. Em resumo, é o profissional responsável por fazer a arte do site, toda a parte visual.

E aqui o foco não é fazer algo o mais bonito possível! É preciso entender padrões de web, UX, acessibilidade e muito mais. Uma empresa pode perder clientes e oportunidades se o site for mal projetado.

Não se confunda: design gráfico é bem diferente de web design. É preciso estudo; não dá pra sair de uma área para a outra num piscar de olhos.

O que é programação ou desenvolvimento

Basicamente é a parte “mágica” da coisa: todo o código do site, que é onde as coisas funcionam.

Sim, montar um site não é só fazer a parte visual e colocar no ar: é preciso programar as funções do site, e aqui entram diversos conceitos. SEO, acessibilidade, UX, performance e por aí vai. Você sabia que um site sem acessibilidade pode render processo?

Essa parte normalmente pode ser dividida em duas partes também: front-end (responsável pelo código que mostra o que o visitante vê) e back-end (responsável pelo código que faz as ferramentas funcionarem). Nesse post falo mais sobre o assunto.

O desenvolvimento de um site pode ser feito de diversas formas, já que há diferentes linguagens de programação e frameworks disponíveis.

ilustração de um site
Leia também: como ganhar dinheiro criando e vendendo sites sem ter experiência

Como montar e vender sites para clientes

Antes de mais nada você deve escolher qual será sua área de atuação.

Se for só web design ou apenas programação, você precisará encontrar um parceiro que faça a outra parte – ou utilizar soluções prontas no mercado, mas para isso você terá que ter alguns conhecimentos básicos da área em questão.

Se quiser fazer ambas as partes (é o meu caso, por exemplo), o tempo de estudo e preparo é bem maior. Outra opção é partir para soluções prontas, como templates, frameworks e construtores. Assim você aprende o básico de cada área e pode oferecer serviços mais simples.

Vou dar um norte sobre cada possibilidade logo abaixo.

Cursos para elaboração de sites

Hoje em dia, felizmente, há muitas – mas MUITAS – opções de cursos e tutoriais onlines, grátis ou pagos, disponíveis na internet.

Se eu preciso me atualizar ou aprender algo novo, já acesso a Udemy e busco os cursos mais avaliados.

YouTube também tem boas opções, claro. Prefiro a primeira opção por ser mais focada e propícia para estudos.

Ferramentas para criação de sites, lojas virtuais e blogs

Aqui as possibilidades são quase infinitas. Mas quantidade não significa qualidade.

Construtores de site

Por exemplo, construtores de site como Wix e afins não conseguem entregar um site profissional – nem perto disso. A ideia de construtores assim é justamente entregar uma solução pronta para que qualquer um possa fazer um site.

Por consequência, o resultado final é um site lento, sem diversas questões de usabilidade e acessibilidade, além de ter um visual amador. Primeiras posições do Google? Nem pensar.

O único construtor realmente bom que eu costumava indicar era o SitePX, que infelizmente fechou as portas. Por lá haviam soluções para SEO, diversas ferramentas e o carregamento era bem rápido.

Se possível, fuja de site builders no geral. Mas se encontrar um que ofereça soluções realmente profissionais, deixe o link nos comentários pra ajudar quem está começando!

CMS

Content Management System (Sistema Gerenciador de Conteúdo) é uma opção mais avançada.

A plataforma mais conhecida e utilizada no mundo é o WordPress. Nesse caso, há duas versões:

  • wordpress.org: Solução self-hosted. Você deve instalar em um servidor (hospedagem) e terá total controle de tudo.
  • wordpress.com: Solução online hospedada pelo próprio WP. Há opções de planos, de um gratuito a um bem salgado, com vantagens diferentes.

A primeira opção vale muito mais a pena, claro. É possível conseguir uma hospedagem mais barata e especializada, como a WOWF, além de você ter total controle do CMS, plugins, temas e por aí vai.

Templates prontos

Templates prontos (ou modelos prontos) são, basicamente, os sites já prontos para irem pro ar. Não é como em um construtor de sites, onde você se cadastra e escolhe uma das opções – aqui você deve baixar o template, fazer a instalação e personalizações necessárias.

Nesse caso você pode optar pelo template pronto para um CMS, como o WordPress, ou algo em HTML puro – ou até mesmo com algumas funções em PHP, como formulário de contato.

Recomendo o ThemeForest, que tem uma biblioteca enorme com ambas as opções.

Frameworks e boilerplates

Framework é, basicamente, o esqueleto de um projeto. Em alguns casos ele oferece alguns temas prontos, como é o caso do Bootstrap – que é uma boa opção para iniciantes ou pessoas sem muita experiência na área, e não para profissionais.

Boilerplate já costuma ser algo mais cru. É basicamente uma “coleção” de códigos ou estruturas básicas e/ou indispensáveis em um projeto. Por exemplo, um boilerplate para WordPress vem com todos os arquivos necessários em fase inicial, além de algumas bibliotecas para ajudar no desenvolvimento.

Ou seja, um boilerplate é mais recomendado para pessoas com mais experiência, porque é, a grosso modo, a lista de ingredientes para fazer o bolo – enquanto o framework é um bolo de caixinha.

profissional criando wireframe no computador com supervisão do cliente
Criar um rascunho ou o wireframe do projeto antes de iniciá-lo é imprescindível!

Tenha um portfolio com seus serviços

Básico: Se você quer prestar serviços na internet, você deve mostrar seus serviços… na internet!

Um portfolio é uma apresentação de tudo o que você fez e faz. Reúna seus melhores projetos (que podem ser pessoais também), coloque descrições detalhadas e, de preferência, tenha um blog.

No Criar Portfolio você pode aprender tudo e mais um pouco sobre isso.

Revenda serviços de profissionais da área e ganhe comissões

Quem disse que você precisa saber fazer sites para vendê-los? Seja um vendedor!

Estude todos os conceitos da área pra não oferecer algo impossível para o cliente, saiba elaborar briefings e wireframes e procure parceiros que façam o serviço e estejam dispostos a pagar um comissionamento para que você faça o trabalho de prospecção.

Ah, detalhe: Só indicar um cliente e cobrar uma comissão pela indicação é sacanagem. Você não fez nada, por que deveria ganhar por isso?

Então, busque oferecer algo realmente digno de faturamento. Faça todo o “meio-de-campo” para o profissional. Se ele não precisar manter contato com o cliente, será trabalho a menos e, por consequência, mais tempo para elaborar o trabalho. Algumas dicas:

  • Procure os clientes: redes sociais e sites de freelancers estão cheios de pedidos de serviços. Esteja presente e ativo diariamente, não espere os clientes chegarem até você;
  • Faça o briefing: Colete todas as informações com o cliente para orçar o projeto com o profissional;
  • Faça a proposta: Esse item e o acima podem ser os mais complicados de um projeto. Se você fizer essas partes de uma maneira bem completa e profissional, além de impressionar o cliente, irá ajudar e muito o profissional;
  • Pesquise referências e rascunhe: Você já está ciente de como o trabalho deverá ser feito. Então, entregar já “mastigado” para o profissional também seria ótimo;
  • Seja responsável pelos feedbacks: Ou seja, só você faz o contato com o cliente, nunca o profissional. Passe confiança de que você sabe o que está fazendo, e qualquer coisa diga que irá consultar sua equipe ou parceiro.

Com coisas assim você pode pensar em um valor fixo ou uma porcentagem no valor total do projeto. Nada mais justo!

Ah, e lembre-se sempre: antes de prometer algo para o cliente, consulte o profissional!

Seja profissional e não deixe de estudar nunca!

Jamais pare de se atualizar. Essa área traz alguma novidade por semana.

Você não precisa aprender tudo, mas precisa estar antenado e preparado. Uma tendência pode virar um padrão em poucas semanas.

Quais dicas você tem para manter-se sempre atualizado em sua área? Deixe seu comentário!

Avalie este conteúdo!

Avaliação média: 0
Total de Votos: 0
Trabalhe em casa criando sites

Receba posts por e-mail!

Digite seu endereço de e-mail para receber notificações de novas publicações por e-mail.

Deixe seu comentário